Obra do Tucunduba é tema de audiência pública na Câmara de Belém
Menu

Obra do Tucunduba é tema de audiência pública na Câmara de Belém

  • Written by 
Obra do Tucunduba é tema de audiência pública na Câmara de Belém

A obra de saneamento integrado que está sendo executada pelo Governo do Estado na Bacia do Tucunduba, em Belém, foi o tema de Audiência Pública realizada na manhã desta sexta-feira (15), na Câmara Municipal de Belém. Considerada a segunda maior bacia hidrográfica da capital, o Tucunduba atravessa quatro bairros: Guamá, Terra Firme, Canudos e Marco. Quando for concluído, o projeto vai beneficiar diretamente cerca de 250 mil moradores da área.

Participaram diretores da área social e técnica da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedop), da Secretaria Municipal de Saneamento e representantes de Associações Comunitárias do Tucunduba.

O vereador Toré Lima (PRB) foi o autor do requerimento que solicitou a realização da audiência pública. “Estamos aqui para ouvir os responsáveis pela obra e também os moradores que tanto sofrem com os alagamentos. Que essa audiência sirva para aprofundar o debate sobre a obra”, disse o vereador.

Obra em andamento

O diretor de fiscalização de obras da Sedop, engenheiro Sérgio Paixão, apresentou os dados técnicos e o cronograma de execução da obra, que foi dividida em três etapas.

O trecho 01, que compreende cerca de 820 metros da ponte da rua São Domingos, no bairro da Terra Firme, até a rua dos Mundurucus, deve ser concluído até o final de agosto. “No local, já foram executados serviços de dragagem, drenagem e limpeza do canal, instalação de tubulação de esgoto e conformação das paredes laterais que foram cobertas com grama, para evitar a erosão”, explicou o engenheiro.

Também foram abertas e pavimentadas duas grandes avenidas nas duas margens do Tucunduba. A obra também inclui a construção de meio-fio, calçadas, ciclofaixas e a construção de três pontes de concreto e uma passarela metálica.

Nesta etapa, 209 famílias que ocupavam irregularmente o leito e as margens do canal foram cadastradas e remanejadas, ressaltou a diretora da área social da Sedop, Bernadete Costa. Ela explicou que o trabalho social representa 80% da obra e que essa é a parte mais importante e delicada do projeto. “O nosso trabalho começa antes das máquinas. Primeiro cadastramos. Depois começamos as negociações com as famílias que vivem irregularmente sobre o canal. Os moradores têm duas opções: receber indenização, que é paga com base numa tabela nacional do Ministério das Cidades; ou o remanejamento para conjuntos habitacionais do governo. Nesse caso, eles também podem receber um auxílio-moradia caso a unidade habitacional não esteja concluída. E quando não há acordo, os casos são encaminhados à justiça, provocando atrasos na obra”, explicou a diretora.

No cronograma de serviços da Sedop, o projeto Tucunduba contempla ainda dois trechos: trecho 02 - já licitado – tem 720 metros e vai da rua dos Mundurucus até a passagem 2 de Junho. Mais de 130 casas construídas irregularmente sobre o canal já foram retiradas para dar início às obras desta segunda etapa do projeto. No total, 572 famílias serão remanejadas. E a última etapa, o trecho 03, ainda será licitado - da passagem 2 de Junho até a travessa Vileta. O investimento total da obra é estimado em R$ 121,8 milhões.

Acompanhamento

Após a explanação da Sedop, vários moradores e representantes de entidades comunitárias presentes na audiência, também se pronunciaram. Ao final da audiência, ficou acertada a formação de uma comissão com a participação de vereadores e representantes de cada uma das entidades comunitárias presentes para o acompanhamento e monitoramento das obras do Tucunduba.

Também participaram da audiência os vereadores Ivanildo França (PRB), Bieco (PR), Igor Andrade (PSB), Marinor Brito (PSOL) e Sargento Silvano (PSD).

Por Marlicy Bemerguy

back to top

Institucional

Acessibilidade

Imprensa

Interno

Telefone

  • Geral
  • 3183-0020